terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

ALEGRIA COM DEUS


Nessa vida podemos nos alegrar de duas formas: com Deus ou sem Deus. Uma boa definição dessa alegria sem Deus podemos encontrar na poesia de Vinícius de Morais:
... A gente trabalha o ano inteiro... Por um momento de sonho ....Pra fazer a fantasia de rei ou de pirata ou jardineira... Pra tudo se acabar na quarta-feira... Tristeza não tem fim felicidade sim... 

Fonte: A Felicidade - Vinícius de Moraes

Na parábola do tesouro escondido, Jesus nos conta que a alegria é encontrada no evangelho (Mt 28.8). E essa foi a mensagem dos anjos quando Jesus nasceu – uma boa nova de grande alegria (Lc 2.10). A alegria que Jesus nos concede é completa e ninguém poderá tirá-la de nós (Jo 16.22,24).

Já para o apóstolo Paulo: o reino de Deus é alegria no Espírito Santo (Rm 14.17). E, consequentemente, a alegria é fruto do Espírito Santo (Gl 5.22).

O apóstolo Pedro conta que essa alegria é indizível, tamanha a sua intensidade e perenidade (1Pe 1.8). Por isso o apóstolo Tiago diz que até mesmo quando estamos atribulados e com muito sofrimento ao nosso redor podemos ser alegres (Tg 1.2).

E quando vamos para o saltério, a alegria é tão abundante na poesia e canção do povo de Deus, que ela está em todos os momentos da vida. Ela é cantada e celebrada, não como um valor absoluto, ou um fim em si mesmo, mas porque na presença do Senhor há plenitude de alegria (Sl 16.11).

Certamente a alegria cristã tem a sua fonte na Trindade. É no relacionamento com Deus que encontramos uma alegria que jamais acabará e, mesmo quando confrontada com as dificuldades da vida, resistirá e permanecerá no crente.

Vamos desfilar essa alegria todos os dias do ano, não por exibicionismo, mas para compartilhar dela com todos que a procuram. Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos (Fp 4.4).